1.º - 4.º ano

  • A Relação Professor – Aluno 

    A nossa metodologia, ao longo dos 4 anos do 1º ciclo do ensino básico, assenta em vários princípios, que contribuem para uma máxima comum: aluno feliz, aluno motivado, aluno empenhado.
    Primamos pelo afeto e valorizamos os aspetos positivos, mostrando que o aluno é capaz, apesar dos obstáculos que tenha de ultrapassar durante o seu percurso.
    Criando situações de cooperação, promotoras de autonomia e de participação no seio da sala de aula, os alunos desenvolvem capacidades de aprendizagem únicas. Apoiados pela relação que estabelecem com o Professor e com os colegas, sentem que pertencem ao grupo: intervindo, questionando, pesquisando, apropriam-se do saber pela partilha de opiniões com os colegas, não só da sua turma, bem como das restantes turmas do colégio. O trabalho resulta de um esforço conjunto, estando as mesas dispostas em grupos, de forma a potenciar a entreajuda entre os alunos. Apercebendo-se que todos têm fragilidades e potencialidades, conseguirão colmatar algumas das suas lacunas, potenciando o espírito de união dentro da turma.

  • Prática Pedagógica

    São diversos os momentos pedagógicos diferenciadores da nossa prática educativa:
    O trabalho da Novidade: Partindo de um momento semanal, em que os alunos contam as novidades do fim de semana, inicia-se o trabalho dos grafemas: leitura da novidade pelo aluno autor da mesma; questões ao autor (com registo no quadro); trabalho da novidade no caderno, com exercícios de recorte e colagem, em que é feita a divisão da mesma em palavras e em sílabas e, consequente, ordenação e colagem. Este é um trabalho desenvolvido no 1.º ano de escolaridade.
    Os Projetos: Surgindo do interesse dos alunos, ou de uma motivação lançada pelo professor, os diferentes grupos preenchem um plano de trabalho (o que sabemos; o que queremos saber; como vamos fazer; como vamos apresentar). Os alunos pesquisam informação em casa e na escola, reúnem-se e selecionam a informação essencial para o projeto, decidindo também a sua apresentação (teatro, cartazes, dança, PowerPoint, jogos) à turma e/ou aos restantes ciclos do colégio. No final, é feita a heteroavaliação e autoavaliação.
    Trabalho de texto: Partindo de uma produção textual de um aluno, selecionada pelo docente, os alunos, trabalham a melhoria da mesma, primeiro a pares e depois em grande grupo, com o auxílio da professora: identificação de erros ortográficos, seleção de frases pouco coerentes; falta ou desadequada utilização de sinais de pontuação; etc. Terminado, e eventualmente ilustrado, o texto é colocado num livrinho dos textos da turma.

  • Educação para a Cidadania

    A partir de situações de cooperação, promotoras de autonomia e de participação no seio da sala de aula, os alunos não só desenvolvem capacidades de aprendizagem únicas, como estruturam também a sua personalidade e comportamento cívico.
    Conselho: Momento semanal, que visa fomentar o sentido de responsabilidade e a participação dos alunos na “vida” da sala de aula. Este é um momento de reflexão alargada que, partindo do Diário de Turma (Gostei/ Não Gostei/ Sugiro…), promove a resolução das situações pelo consenso do grupo e com registo em ata das decisões tomadas.
    Gestão das Tarefas: À sexta-feira, alunos e professor definem as tarefas a desempenhar durante a próxima semana (responsáveis da semana; arrumação da sala; quadro; bengaleiro; arrumação dos livros e cadernos; recados; mapa de presenças e mapa do tempo). No final da semana os alunos procedem à sua auto e heteroavaliação.
    Gestão do Comportamento: Definidas as regras de sala de aula entre a professora e os alunos, estas são afixadas na sala e é feita uma grelha de avaliação do comportamento, que será preenchida pelo professor, em concordância com os alunos. No fim do dia, os alunos preenchem uma grelha individual semelhante e, no fim da semana, procedem à sua autoavaliação. Professor e pais tecem um comentário escrito relativo ao comportamento do aluno.  

  • Ligação estreita aos Pais
  • O Processo de Avaliação 

    Vemos a avaliação como um processo sine qua non na progressão de todos, ou seja, dos alunos, professores e dos próprios projetos.
    Consideramos que é com base numa avaliação interativa e recheada de instrumentos eficazes de avaliação/regulação permanente que alcançamos, não só os objetivos estipulados, como também contribuímos para o desenvolvimento da reflexão pessoal de cada aluno. Criar essa consciência avaliativa contribui, decerto, para um percurso mais real e efetivo de aprendizagem.
    Sendo um processo contínuo, privilegia a diversidade de estratégias e instrumentos de avaliação (formativa e sumativa), para que os alunos realizem experiências de aprendizagem ativas, significativas, diversificadas, integradas e socializadoras. Os critérios de avaliação são os seguintes:
    1. Atitudes e Valores (40%);
    2. Domínio Cognitivo (60%)

5.º - 12.º ano

  • A Relação Professor – Aluno

    No Colégio Santo André acreditamos que a Educação se faz pelo Exemplo e que o Professor ensina não só pelo que Sabe mas, sobretudo, pela pessoa que É.
    Porque trabalha não só conhecimentos mas também valores e carácter, o Professor deve ser um exemplo e uma referência de Humanismo, capaz de acolhimento, afetividade, cuidado e respeito para com o outro. Uma referência também no Rigor com que organiza a sala de aula e estimula o cumprimento das regras, ainda que dando voz ao aluno e conferindo-lhe um papel ativo na aprendizagem. Quando feita de saber e justiça, a autoridade do Professor é essencial para que a construção do saber se dê de forma eficaz e orientada, sendo por isso a garantia da liberdade e bem-estar de todos os alunos.
    Quando o aluno se sente acolhido e acarinhado e, simultaneamente, seguro e respeitado - porque inserido num clima de regras claras e bem definidas - adquire a confiança necessária para aprender com motivação e segurança.

  • Educação para a Cidadania: Código de Conduta   

    Entende o Colégio que a cultura de cidadania tem de ser alicerçada na relação liberdade/responsabilidade e direitos/deveres.
    Acreditamos que é na interiorização das regras da Escola que se complementa a educação cívica iniciada na família, pelo que todos os agentes educativos, docentes e não docentes promovem ativa e diariamente o Código de Conduta do Colégio. A expressão da individualidade de cada aluno é assim enquadrada pelo respeito das regras e deveres de funcionamento coletivo, no sentido da responsabilização e interiorização dos valores.

  • O Reconhecimento do Mérito 

    Com vista à valorização do conhecimento, da dedicação e das atitudes dos alunos, o Quadro de Excelência foi criado como incentivo ao sucesso escolar, valorizando a excelência académica. Por outro lado, o Quadro de Valor pretende reconhecer o empenho em ações meritórias, a favor da comunidade. Anualmente são ainda atribuídas Menções Honrosas aos alunos que se destacam na área das expressões (Teatro, Música, Artes e Desporto).
    Quando considerado o universo do grupo-turma, o mérito de cada aluno é, no final de cada período letivo, reconhecido através do Top-Turma ou do Top-Evolução.
    Na área artística, a exposição dos melhores trabalhos desenvolvidos pelos alunos nas disciplinas de Educação Visual, Pintura e Educação Tecnológica, constitui uma atividade que promove o melhor potencial de cada aluno nesta dimensão.
    Na área linguística, o Consultório Linguístico constitui um ponto de divulgação de desafios relacionados com o domínio da língua portuguesa e destaca os alunos mais meritórios nesta área.

  • Promoção do sucesso - Trabalho por objetivos 

    Uma metodologia de trabalho assente no compromisso motiva os alunos para o trabalho e para a superação de si próprio. Assim, cada aluno e cada turma, no início do ano letivo, assumem os seus objetivos académicos, realistas mas ambiciosos, perante o Diretor de Turma e os professores das diferentes disciplinas. A monitorização constante dos resultados, o confronto dos mesmos com os objetivos definidos e a partilha entre todos (alunos, professores e pais) permite otimizar o desempenho de cada um.

  • Sistemas de Apoio à Aprendizagem 

    É preocupação do Colégio proporcionar diferentes sistemas de apoio, de forma a desenvolver o seu potencial de aprendizagem dos diferentes alunos. Constituem exemplo as aulas de Apoio ao Estudo (2.º ciclo), as aulas de Apoio de Matemática, Português ou Inglês, (3.º ciclo), as Salas de Estudo integradas no horário letivo dos alunos, e as aulas de preparação para Exame.
    No âmbito das Necessidades Educativas Especiais, o Colégio Santo André considera-se uma escola inclusiva, implementando, sempre que necessário, as medidas do Regime Educativo Especial previstas pelo Decreto-lei n.º 03/2008. O apoio direto/indireto a estes alunos poderá ser prestado pela Professora de ensino especial, Psicóloga escolar ou docente de alguma disciplina específica.
    Os Serviços de Psicologia e Educação Especial são também um elemento importante na promoção do sucesso escolar dos alunos, na sua formação pessoal e social e na ligação da Escola com a Família. Assim, proporcionam avaliação e apoio individual aos alunos mas atuam também de forma mais abrangente e preventiva, implementando diferentes programas/iniciativas em contexto de grupo-turma:
    7.º ano: programa Aprender a Aprender - Métodos de Estudo; 8.º ano: Programa Não aos Comportamentos Aditivos!;
    9.º ano: Programa de Orientação Vocacional;
    10.º ano: Sessão: Acesso ao Ensino Superior;
    11.º e 12.º anos: Inspiring Future

  • Ligação estreita aos Pais- Encarregados de Educação 
  • O Processo de Avaliação 

    O processo de avaliação dos alunos, porque intimamente relacionado com a qualidade das aprendizagens, é pensado com todo o cuidado:

     Provas de Avaliação agendadas em dias não consecutivos;

     Calendário de Avaliação e Critérios divulgados na primeira semana de aulas;

     As Provas de Avaliação realizam-se, para cada disciplina, no mesmo dia e à mesma hora, sendo iguais para todas as turmas num mesmo nível de ensino e, sempre que possível, vigiadas por outros docentes que não os da disciplina avaliada. Assim, pretende-se garantir uma uniformização nas condições de avaliação e uma melhor preparação para situações de Exame Nacional ou Prova Final de Ciclo;

     Correção Ortográfica: É incentivado o uso regular de Dicionário durante as aulas. No que respeita aos erros ortográficos, estes serão contabilizados em todas as disciplinas do Ensino Básico.